A importância da Frustração no desenvolvimento Infantil.

Bem vindo a todos, hoje iremos conversar um pouquinho principalmente com os pais, a respeito do desenvolvimento infantil, o quanto vai haver momentos e principalmente nos casos que costuma acompanhar em que a criança está passando por um atraso no desenvolvimento da linguagem  o quanto esse processo precisa muito ser permeado com situações é de provocação, de desequilíbrio e isso conseqüentemente vai ser é permeado com muita birra, com muito choro com muita resistência da criança. O que acontece quando vou explicar para os pais dessa forma é que quando a criança está passando por um atraso principalmente no seu desenvolvimento por causa da linguagem, é como se essa criança tivesse habituada por um mecanismo do cérebro natural nosso cérebro ele tem uma tendência a economizar energia, então muitas ações que a gente faz que a gente executa a gente faz um piloto automático e a gente não pára pra pensar por exemplo em como a gente vai escovar o dente, a gente simplesmente vai escova não precisa elaborar essa ação, se a gente precisasse fazer isso inclusive pensar em tudo quea gente em todos os gestos na hora de dirigir na hora de comer, está uma mãe na hora de comer a gente não agüentaria, algumas horas depois acordar nossa mente já estaria totalmente desgastada, sobrecarregada então o cérebro ele tem esse funcionamento natural ele tende a economizar energia através dos automatismos ou seja os comportamentos em que a gente já faz realmente no automático através da rotina que a gente acaba  ficando  acostumado a desenvolver determinadas funções e a funcionar através de determinados comportamentos.

Então a criança está nesse atraso ela muitas vezes é como se ela estivesse habituado ou seja automatizado já a dançar conforme aquela música que está tocando ali há um bom tempo só toca àquela música ela só conhece já sabe dançar tudo ótimo ela tá ali naquela zona de conforto perfeita em que nada desafia a ela, em que nada se desestabiliza em que nada se desequilibra e muitas vezes quando essa criança se depara com um processo terapêutico na fase inicial, é como se ela começasse a e chutar não ia ser desafiada a dançar conforme uma nova música que começa a tocar através dos estímulos que a gente da, dos estímulos é específicos não é pra poder provocar aprendizado, de uma nova forma de comportamento no caso de estado da comunicação, novas formas de comunicar de se expressar de desenvolver a linguagem também à fala. Então é muito comum nessa fase inicial, tem muito choro tem muita birra, ter muita resistência e os pais precisam entender que esse é um processo natural e importante para que possam então sustentar essa fase conseguir atravessar esse processo junto com a criança, porque muitas vezes o que a gente identifica é que por aquela criança já está realmente com uma fragilidade emocional ou seja, uma criança que você não pode provocar uma criança que você não pode mexer porque ela não sabe lidar com a frustração, ela não sabe lidar com o provocação quando o equilíbrio então acriança que faz birra, que tem um choro intenso motivos muito banais, então é a tendência natural e é compreensível que os pais passam é esse tipo de tenho esse tipo de atitude que é como se tivesse até tentando se preservar de tanto conflito de tanto choro, de tanta confusão e acaba então desafiando essa criança muito pouco quase nada, e ela continua a lei dançando sempre aquela música antiga que já não desafia a ela, que já não promove aprendizado que já não promove a evolução e parece que ela fica estacionado naquela etapa do desenvolvimento.

Então é importante que os pais entendam que essa fase é uma fase que precisa realmente ser proporcionada para a criança é o próprio Piaget,  que é um teórico é um grande teórico do desenvolvimento infantil ele já falava justamente sobre isso sobre a importância do desequilíbrio, se não houver desequilíbrio durante o aprendizado, não tem como a criança ter um reequilíbrio, ela fica estacionada e é preciso então é o cérebro mesmo ter esse desafio, ter essa provocação, de modo que possa haver uma nova construção de novos caminhos neurais, pra que então novas habilidades, novas formas de comportamento possam ser instalados e serem automatizados novamente. Então nesse início esse choro, essa resistência da oposição essa birra,  faz parte a gente precisa entender isso de modo a não cair numa cilada, ah não tá dando certo, ah não essa criança não está preparada não consegue lidar com isso não vamos mexer nisso agora, quando na verdade o pensamento entendimento é justamente o contrário esse choro essa resistência faz parte e é agora sim que a gente precisa intervir e temos até de praxe plasticidade e cerebral gente precisa entender que o quanto antes a gente intervém, por isso que a gente levanta essa bandeira na intervenção precoce quanto antes for feito mais capaz a criança mas as condições, não é maisjanelas de oportunidade para poder desenvolver um aprendizado mais aprofundado mais consistente mais sólido o quanto antes isso acontece melhor para a criança e para o cérebro, está intenso desenvolvimento principalmente aí nos cinco primeiros anos de vida. Em se tratando de atraso de linguagem a gente tem que começar muito cedo, mas deixou a criança com dois anos, não tá ainda não é falando não está construindo frases o mínimo que a gente vai fazer realmente dar uma investigada com Fonoaudiólogo para poder ver é o que precisa ser melhorado em termos de estimulação e se realmente essa criança já  demanda um atendimento de Fonoterapia.

Então devemos enxergar através dessa  ótica para que a gente possa então promover sim, essas situações de desequilíbrio, claro que com o de uma forma muito bem dosada, a gente não vai ficar estressando o cérebro da criança incessantemente, mas isso acontece de uma forma em que a gente está mediando essa parte emocional também, está tendo acolhimento mas tudo dentro de um equilíbrio, pra que ela realmente possa  se deparar com provocações, o desafio, com obstáculos ou seja com um momento de desequilíbrio pra que ela possa então desenvolver e avançar nessa etapa do desenvolvimento! Grato pela atenção.

Fonte:http://www.fafich.ufmg.br/psi/